Eis o comentário (a poesia) da notícia.

quinta-feira, 8 de novembro de 2007

Filhos da Esperança


Reportagem editada na Globo Rural (ano 23, nº 264, outubro de 2007, p. 78-83) do fotojornalista Ivan Carneiro. Tratando da realidade das crianças nordestinas que tem a infância roubada pelo trabalho, não escravo, mas para ajudar na economia doméstica.


Elas brincam, gargalhadas ao vento.

Elas jogam bola, corridas apostam.

Por conta da sorte, destino,

também, a seca elas driblam.

Não mais crianças elas são,

os pais no trabalho ajudam.

Quando correm, é da fome.

Quando brincam, é de serem adultos.

Onde a vida é mais severa.

Onde o que é justo vira regra.

Com a seca imperdoável,

as casas, essas famílias abandonam,

à procura de água, esperança


Murilo Conti Vieira

08/11/07

Nenhum comentário: