Eis o comentário (a poesia) da notícia.

sábado, 27 de junho de 2015

Lei que proíbe foie gras




Comer com gosto desprezível
com fome mundana insaciável.
Arroz sem feijão para dez, azedo
no copo de alumínio areado.
Furto de almas despenadas
no clarear de um dia obscuro.
Com medo do passado descolorido,
futuro nas costas invisível.

Murilo Conti Vieira

Nenhum comentário: