Eis o comentário (a poesia) da notícia.

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Haddad e Alckmin são hostilizados ao deixarem missa por SP na Sé


O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT) e o governador, Geraldo Alckmin (PSDB), foram hostilizados após saírem de uma missa em comemoração ao aniversário da capital paulista na Catedral da Sé, no Centro.
Cerca de 20 integrantes do Movimento Passe Livre (MPL) se concentraram ao lado da catedral para aguardar a saída dos governantes. Desde o anúncio do aumento da tarifa do transporte público em São Paulo, o movimento organizou cinco grandes atos para pedir a revogação.
Haddad parou para falar com a imprensa, e os integrantes do movimento cantaram músicas contra ele. O prefeito foi atingido por uma garrafa pet quando dava entrevista para os jornalistas “Hoje é dia de celebração, o dia de comemorar São Paulo. Estamos tendo um feriado prolongado bastante bonito, muita cultura”, afirmou.
Ao perceber que foi atingido, afirmou. “Vamos deixar pra outra hora, que aqui está meio ruim”, disse.
Alckmin saiu por trás da Igreja e também chegou a ser cercado e hostilizado por manifestantes.
...
G1 – São Paulo – de 25/01/2016


Não consigo eu pensar,
sem parar de respirar.
Numa vida cheia de vazio,
com mais um branco fio.
A idade aperta as fossas
de um nasal ainda crescente.
Evitando forças dos idiotas,
num país não mais nascente.

Murilo Conti Vieira

Nenhum comentário: