Eis o comentário (a poesia) da notícia.

quarta-feira, 9 de março de 2016

Quadrilha que usava carro falso da PF para praticar assaltos no interior da PB é procurada





Em um dia nebuloso, sem paixões.
Sob um céu tenebroso, confusões.
Onde Zeus reparti-nos, facções,
em meio a raios, trovões.

Nuvens cinzentas em um olhar estranho
a ponto de nos cegar com tua escuridão.
Com medo da tundra assombrada,
que nos leva sem rumo a perdição.

Desalegria dos anjos tristes,
uma água, leve pluma fria
em nossas mentes, não refresca,
a dor que nos é passado, em códigos.

Essa tempestade que não acaba.
Vento frio, forte enxaqueca bate.
Sobre uma rua de espinhos.

Murilo Conti Vieira

Nenhum comentário: