Eis o comentário (a poesia) da notícia.

quarta-feira, 13 de abril de 2016

Espero que as próximas gerações nos perdoem


Você pode ser a favor ou contra o impeachment de Dilma Rousseff. É um direito seu. E você tem direito a ter suas razões.
Alguns consideram que há provas suficientes para dizer que ela cometeu crime de responsabilidade nos decretos orçamentários e que um presidente só pode fazer aquilo que lhe foi previamente autorizado por lei, nem mais, nem menos.
Outros dizem que isso não é suficiente e que o argumento é apenas uma justificativa encontrada por partidos políticos e grupos econômicos que não conseguem votos nas urnas executarem um golpe e chegarem pela via fácil ao poder.
Acho uma leviandade dizer que todos os que defendem o impeachment são canalhas, do mesmo nível de dizer que todos que denunciam-no como golpe são vendidos.
Feita essa explicação, tenho algumas perguntas:
A gente bebeu, foi? Chapamos o cabeção? Fumigamos as ruas com cogumelos alucinógenos? Tem ácido na água da torneira?
Porque só numa republiqueta mequetrefe, um vice-presidente – que se diz um jurista especializado na Constituição Federal – age à luz do dia para articular a destituição da presidente do cargo, assumir no seu lugar e ninguém acha isso estranho. Independentemente de haver elementos para destituição ou não. Pior, sou obrigado a ouvir que isso faz parte do jogo democrático. Sem contar os elogios a ele em público pela ação.
O vice deveria ser o primeiro a ficar no seu canto e aguardar o processo ser decidido. Até para não ser atribuído a ele a pecha de golpista, uma vez que será o principal beneficiado.
Mas Michel não se importa.
Em tempos normais, a imprensa seria mais crítica às presepadas de Temer, como os “vazamentos'' (nota mental: vazamento é tudo aquilo que soltamos como balão de ensaio, mas não pegou bem) da “cartinha'' à Dilma e do áudio do “discurso'' como novo presidente. Isso sem contar as histórias das pedras do porto de Santos.
Mas dada a ânsia para ver troca de comando no governo federal, estamos nos esquecendo do básico.
Não importa se você ache este um bom governo ou não (eu acho péssimo, terrível, uma calamidade na maioria das áreas) ou defenda que ele deva sair, ser saído ou ficar. A discussão deste post não é essa, mas sim se é válido um vice estar usando o cargo para conspirar e banalizarmos isso a ponto de não falarmos nada em público.
Criticar Temer não significa necessariamente defender Dilma. Até uma morsa em coma entende isso. É possível e, aliás, desejável criticar ambos. Mas considerando que um exército de pessoas desistiu de raciocinar neste momento da política nacional, sinto pela falta de morsas.
AMBOS OS LADOS aprofundaram a Câmara dos Deputados como um bizarro balcão de negócios pró e contra o impeachment, com promessas de cargos para pagar a votação de domingo. Isso sem contar as denúncias de compras de votos que correm pelo Salão Verde da Câmara, com milhões prometidos em dinheiro público ou pelo caixa de empresas e associações empresariais.
Sob a justificativa de limpar o país da corrupção e da incompetência na gestão pública, estamos vendo as coisas sendo lavadas com merda no Congresso. E sorrimos o pragmatismo. Não há como uma jovem democracia sair impune disso.
Espero que as próximas gerações nos perdoem.
uol – Blog do Sakamoto – de  12/04/2016


Um ano a mais
entre espigas cortantes.
Com saudades de tempos
das tigüeras reinantes.
Em solo nada lavrado
por jegues magros capengas.
A falta de força, travado
com sede de água corrente.
Não esperava que um dia.
Casebre, minha amada, berlinda,
em suas mãos tão pequeninas,
a espera de mim, uma vida.

Murilo Conti Vieira

Nenhum comentário: